quarta-feira, 7 de setembro de 2016



$er Errado 

A sociedade caminha de olhos fechados,
o cerrado está sendo aberto.
Às corredeiras caminhamos para o Abismo,
somente da Janela nos protegemos desses Saltos.

O caminho tem Segredo 
e não se encerra em Silêncio.
Diante do Encontro das Águas 
rogamos aos Anjos e Arcanjos.

Que não parem o Moinho,
Pois há de haver outro caminho,
onde sejamos sementes e não dementes.

Da estrada, a toda mirada vê-se os impactos a olhos nus,
fruto sem semente da monocultura caolha e vesga.
Agroescárnio do homo $apiens $apiens.

Marcos Guedes


Eu me liberto quando me ergo, abraço, entrego, sonho, recomeço e acredito em tudo de novo.
Sou livre quando me uno à esperança dos que estão nessa causa junto comigo.
Acima de tudo, sou livre e me empodero, quando desvendo os mistérios da existência e percebo que a força que está ao meu redor e unida a mim, é muito maior do que as barreiras que encontro em meu caminho.



Giselle Maria 

Eu olho e me lanço.
Me lanço na perspectiva de que a esperança que tenho, se transforme dia após dia, em fluido puro, em natureza verde, em união a favor da vida.



Eu olho e me entrego.
Me entrego à fluidez das águas, similar à dos meus pensamentos, anseios e crenças, que percorrem caminhos, contornam obstáculos e se reestabelecem mais fortes a cada instante.



Eu olho e me renovo.
Me renovo na fé e acredito no fluxo da força criadora, que empodera a essência primordial de todos os seres e faz eu me perceber a todo momento, parte da transformação e força deste Universo, do qual desfruto e pertenço.



Giselle Maria 


Me ajoelho aos seus pés, 
Peço, rogo, não nos deixe!
Água pura 
Abundância
Banhe as matas
Inunde as pedras
Lave meu corpo
Que de suor, sujeira e veneno
Pede socorro
Andei por caminhos tristes
Vi a morte por todos os lados
cheguei até aqui pra lhe suplicar
não desista , resista.
Faça tua força brilhar
Em teu colo agora vou descansar


Pri Lima





Parque Nacional
Destino mundial
Portal da Chapada
Nossa terra amada
Guardião do Cerrado
Patrimônio guardado
Que por suas trilhas
De um dia ou Travessias
Fiquem contatos, surpresas, encantos!
Que por todos seus cantos
Seus banhos e flores
Qual caminho tu tomes
Ele toque seu ser
Faça florescer
O amor ao Cerrado

Thiago Roots​

O céu fica cinza
O ar ainda mais seco
A natureza grita
Encurralada em um beco
O fogo se alastra
A vida vira drama
A tristeza toma conta
Do coraçao de quem ama
Uma arvore cai 
Dominada pela chama
Animais que se vao
Cedo demais para o céu
Labaredas de vida
Queimam como papel

Os guerreiros se unem
Abafadores em punho
Imagens da seca
Que se agravam em junho
Buritis em chamas 
Nos invade o desgosto
A luta que aumenta
Chegamos em agosto
A cegueira faz um homem
Botar fogo no mato
Sem perceber que é a si mesmo
Que ele queima de fato

Ivan Anjo Diniz







Dos galhos retorcidos do poder
Nao nascem frutos ha tempos
Apodrecidas as bases da democracia
Fétidos momentos se descortinam
A liderança exercida pelo medo nao prosperara
As sombras se debatem tentando em vao
Resistir contra os raios da manha que se aproxima
Mas assim como a noite nao consegue
Impedir o brilhar da aurora florescente
A repressao, decrépita em suas bases
Nao podera vencer o vigor das vozes da justiça
Mesmo que nossas maos sejam amarradas
Ou nossos olhos chorem com a fumaça
Nada ira calar nossas vozes de revolta e resistencia.
Somos filhos da luta
Somos vencedores.


Ivan Anjo Diniz